O objetivo deste artigo não é abordar os benefícios e ‘malefícios’ da escrita. Os benefícios já são muito discutidos neste blog (abaixo, eu coloco uma lista dos artigos já feitos sobre o assunto). Contrariamente a isso, o que me interessa aqui é discutir com vocês alguns dos pontos de atenção, como dizemos em holandês, quando você, escritor, exerce a escrita como atividade profissional e vive de escrita. Desta forma, eu quero alertar você, escritor, para algumas situações que podem deixá-lo inativo na escrita.

Malefícios da escrita

Todos falam apenas dos poderes de cura da escrita, sem esquecer que esta pode ser fonte de esforços repetitivos e acarretar alguns problemas na saúde do escritor. Vejamos dois dos mais recorrentes.

Sedentarismo

mans legs on bed with books around

Dada a natureza redacional da escrita precisamente no seio das atividades de criação artística, esta é uma atividade sedentária. Com a chegada de dictafones e softwares de ditado no telefone, feitos próprios para escritores e criadores de conteúdo escrito, o cenário mudou um pouco porque o escritor pode compor seu texto enquanto se consagra à caminhada, por exemplo, ou enquanto cozinha. E.L. James, por exemplo, compunha os textos de Cinquenta Tons de Cinza usando o seu dictafone enquanto dirigia.

A chegada de tais tecnologias revolucionou de fato a profissão da escrita, mas para os escritores como eu, tradicionais, nada como um bom caderno e caneta para criar o seu próximo best-seller. O problema é que isso implica o problema de sedentarismo porque o escritor pode permanecer horas e mais horas sentado escrevendo.

O fato é que para escrever não há outro remédio: é sentar e suar sangue, como disse Fernando Sabino. E bota sangue nisso!

Como eu disse outro dia a um autor: se quiser escrever um texto transformador, eu sugiro que escreva-o com o sangue da sua ferida mais dolorida. Assim, impregne a jornada do seu herói do processo de cicatrização dessa ferida e a cura será a transformação do seu personagem. Para mais informações sobre isso, leia o artigo Histórias que transformam ou Vida de autor: virar escritor é se transformar.

O problema da escrita é que o autor permanece sentado, sem se mover, ou apenas movendo os braços e as mãos. Eu mesma quando eu estou em pleno processo de redação dos meus livros, não dou todos os meus passos diários.

Ora, é preciso compensar com exercícios físicos. Stephen King ele próprio afirma que, para combater o sedentarismo, ele se impõe seis quilômetros diários na parte da tarde, quando o seu dia de trabalho termina.

woman using silver laptop
sedentarismo como malefício da atividade de escrita

A verdade é que é imprescindível para o escritor que deseja permanecer com saúde que ele pratique atividades físicas, que mova o corpo e, sobretudo, eu diria que ele deve encontrar um equilíbrio entre mente, espírito e corpo.

Por isso, a dica que eu deixo aqui para aqueles que estão tentando encontrar esse equilíbrio é praticar yoga durante dez minutos. Você pode também apenas arejar a cabeça entre os seus sprints de escrita no seu jardim: Jardinagem aumenta a criatividade.

Síndromes de movimentos repetitivos

persons hand with white powder
dor nos pulsos como resultado da escrita

O que me fez perder os movimentos foi a sensação de fadiga e esgotamento total do meu braço que nunca antes tinha feito tanto esforço repetitivo antes. O fato é que para um escritor que produz, por exemplo, cinco mil palavras por dia, o que significa três horas de trabalho, mais ou menos, existe uma solicitação muito importante do braço e dos músculos ligados ao braço. Isso pode trazer complicações que vão do pescoço, ao ombro e até mesmo (muito frequentemente) a coluna.

Fiz uma viagem para Chipre há alguns anos, (você pode assistir o vídeo que eu aqui abaixo) que mudou a minha vida. Para resumir, durante essa viagem, eu fiz o plano de produção do meu livro Cidade das Mandalas. Eu me atribuí 3 meses durante os quais eu combinaria redação e trabalho. Eu acho que não preciso explicar muito para lhe dizer que o planejamento revelou-se um fiasco total. Em uma semana de implementação desse ritmo de quatro horas de escrita pela manhã e seis horas de trabalho no computador, eu perdi os movimentos do meu braço direito e fiquei invalidada durante 6 meses.

Eu carrego as sequelas dessa perda de movimento até hoje: o meu braço nunca mais foi o mesmo e a sensação de fadiga nunca foi embora, de fato.

Assista o vídeo da minha viagem para Chipre:

Como fazer para manter a saúde quando se é escritor?

A minha primeira dica para aumentar os benefícios e prevenir os ‘malefícios’ da escrita é:

  • Mexa-se constantemente, de preferência pratique uma atividade que solicite o seu corpo em sua totalidade.
  • faça pausas regulares e quantas precisar
  • não se esqueça nunca que o seu corpo é o primeiro que precisa ter saúde. Caso houver desequilíbrio do lado material, sofrerão também o mental e o espiritual porque tudo está ligado.
  • ouça o seu corpo, escritor.

Caso você se interesse pelo assunto, deixe um comentário ou peça diretamente pelo grupo do WhatsApp.

Benefícios da escrita

Como prometido, alguns dos artigos que tratam os benefícios da escrita.

Escrita como terapia

Artigo: A escrita catártica
Artigo: A terapia da escrita
Artigo: A ficção visionária

Escrita como atividade mental

Artigo: Dissertação – Estabelecendo uma problemática
Artigo: Tipos de textos acadêmicos

Escrita como atividade espiritual

Artigo: A ficção visionária
Artigo: O que aconteceu comigo quando eu cheguei em Paris para ser escritora?
Artigo: A guerra na Ucrânia e a missão dos autores

Quer receber mais conteúdo gratuito? Inscreva-se na lista VIP do Jornal dos Autores.

Torne-se um AUTOR

ou entre para o grupo do WhatsApp para anunciar a sua obra gratuitamente.

2 comentários em “Benefícios e ‘malefícios’ da escrita

Deixe uma resposta