Esse é um chamado para você que quer viver de escrita. Profissionalize-se. Assuma a profissão por aquilo que ela é: um ofício do qual o escritor é mestre e não amador.

Veja bem, não estou a dizer que é fácil, nem que você não cometerá deslizes. Todos cometem erros. Se você for ver o meu artigo Os tombos de um autor, verá o erro que eu cometi quando o meu livro ocupou a categoria dos mais vendidos na Amazon. Errar faz parte do caminho e é necessário par aprender.

O que eu gostaria que dizer com este artigo é o seguinte: se você quer viver da escrita, não deve esperar que a coisa caia do céu: não vai acontecer e ainda menos num mundo como o nosso onde um livro compete com tudo e com todos. A Netflix injeta no espectador mais facilmente a dose de dopamina que este busca durante a sua distração do que um livro. Um livro também o faz, mas de maneira mais sutil. Caso quiser ler mais, clique aqui para o conteúdo reservado.

Busque sempre se aperfeiçoar, tanto do ponto de vista da língua quanto da técnica. Uma coisa é fato, escrever um livro é também uma atividade de técnica. O pior soletrador pode ser um grande contador de histórias e isso não tem problema algum. Claro que quando se conhece a língua melhor. O que não pode é colocar aquela coisa crassa sem revisão e esperar que o seu leitor vá enxergar o valor que a sua obra merece. Estamos no momento histórico da gratuidade. Nem mesmo o que se encontra na internet for free escapa ao julgamento do leitor. 

Dê à sua história o tratamento que ela merece. Escritor, você só conseguirá vender algo se vestir a camisa da sua história. Apenas assim, poderá convencer seu comprador. E esse estado de espírito, só se atinge quando você próprio compraria seu livro. Enquanto você não chegar no estágio no qual se diz “eu só não compraria esse livro se fosse um idiota”, não conseguirá vender o seu livrinho.

Reafirme-se. Você é escritor e ponto. Com a reafirmação virá o desejo de se profissionalizar, de melhorar e de se desenvolver. O mundo ainda está tão cheio de amador quanto de ignorância. Reafirme-se como escritor tanto para consigo mesmo(a.e) quanto para quem lhe disser que não tem uma profissão sólida. Porque no mundo de hoje, o escritor é sim uma profissão. Para mais informações, leia os artigos: Você é escritor. Ponto. e O dia-a-dia do escritor.

Caso você queira se afirmar como escritor, então eu te convido a embarcar na jornada comigo. 

Clique aqui para o nosso grupo do WhatsApp.

Deixe uma resposta